a

 

Artigo: A Constituição Federal aos 20 anos

09-10-2008

Umuarama (PR), 05/10/2008 - O artigo "A Constituição Federal aos 20 anos" é de autoria do presidente da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Paraná, Alberto de Paula Machado e foi publicado na edição de hoje (05) do jornal Umuarama Ilustrado:

"Quando promulgada em sessão histórica no dia 5 de outubro de 1988, a Constituição Federal colocou o Brasil em um novo tempo. No preâmbulo do texto aprovado pela Assembléia Constituinte restaram esclarecidos os propósitos da nova Carta Política do país : "instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias".

Como se vê a missão não era fácil. Embora seu texto ainda não tenha obtido eficácia plena, não há como deixar de reconhecer os avanços experimentados pela sociedade brasileira nos últimos anos.

A sua eficácia está diretamente vinculada à absorção de todos esses novos conceitos, o que vem ocorrendo gradativamente ao longo dessas duas décadas de vigência. Entender que se constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, e a erradicação da pobreza e da marginalização, como está estabelecido no artigo 3.º, é indispensável para que se possa bem aplicar as leis ao caso concreto, dando assim efetividade às disposições da nossa Constituição Federal.

Os avanços provocados por ela são imensos: a consolidação da democracia, os direitos sociais estabelecidos e a universalização do sistema de saúde - bem ou mal qualquer cidadão tem acesso a saúde pública, sem que esteja obrigado a ser filiado do INSS - são exemplos que merecem referência.

Os princípios que estabelecem as diretrizes da nossa Constituição e são os fundamentos da República (artigo 1.º), em especial o relativo ao respeito à dignidade da pessoa humana, devem nortear os intérpretes e aplicadores das leis, atribuindo aos direitos deles decorrentes a chamada eficácia progressiva, de modo que a cada caso concreto possa se avançar na extensão e aplicação de tais preceitos.

Por outro lado, é bem verdade que precisamos considerar o triste fato de que nestes vinte anos ela já foi remendada por 56 vezes e que tal prática representa retalhar um texto de lei que foi concedido de forma harmônica e integrada.

Não há como deixar de reconhecer que 20 anos é pouco para se mudar a história de um país. A tão sonhada democracia precisa ser vivida para amadurecer. Precisamos experimentar (e errar) para aperfeiçoar o sistema e crescer como cidadãos. Assim como na vida alcança-se a maturidade com o passar dos anos, sentimos o mesmo em relação à nossa Constituição Cidadã.

Neste contexto a advocacia teve e ainda tem um papel especial. Além da participação direta de dezenas de advogados constituintes, a Ordem dos Advogados do Brasil teve atuação relevante na elaboração do texto e tem atuado firmemente no seu aprimoramento e no seu cumprimento.

Por força da atribuição que lhe foi estabelecida pela própria Constituição Federal, a OAB tem ajuizado freqüentemente ações diretas de inconstitucionalidade contra leis que, com insistência, pretendem desafiar ou relativizar regras da nossa Constituição Federal.

Assim, a sociedade brasileira tem trilhado o espinhoso caminho do tempo rumo ao esperado Estado democrático, socialmente justo e harmônico."

Copyright (c)2008 Constituição Cidadã - Todos os Direitos Reservados para Ailson Alcântara Silva
www.000webhost.com